sábado, 26 de Janeiro de 2008

Origem de famílias dos Açores

Da autoria do escritor Francisco Maria Supico transcrevemos um extracto do artigo sobre a Origem d'algumas famílias das ilhas de S. Miguel e Santa Maria, no "Almanaque Açores" de 1909.
« Muitas pessoas pensam ainda, erradamente, que a população açoriana traz origem de pessoas ínfimas e até criminosas, obrigadas a sair do continente em expiação de delitos, e irem habitar estas terras em seguida à sua descoberta.
Com a história aberta se responde negativamente a quem faz tão mau juízo dos ascendentes dessas famílias, que povoam estas ilhas, cobiçadas pérolas do ceptro português.
Eis a origem de algumas famílias das ilhas de Santa Maria e São Miguel, segundo o testemunho geral de diversos cronistas insulanos:
Das irmãs do descobridor e primeiro capitão donatário da ilha de Santa Maria, Gonçalo Velho Cabral, que foi filho do grande fidalgo português Fernão Velho, e por sua mãe Maria Álvares Cabral, neto da ilustre casa Belmonte, as quais irmãs se aparentaram por casamentos com as casas de mais luzida nobreza de Portugal, e dos enlaces matrimoniais com os descendentes, trazem origem as famílias marienses apelidadas Velho, Melo, Travassos, Cabral, Figueiredo, Soares de Sousa, Soares D'Albergaria, Câmara, Mendonça e Silvas.
As famílias de S. Miguel apelidadas, Velho, Cabrai, Melos, Travassos, Soares d'Albergaria, Sousas e Castro, originaram-se por matrimónio com famílias de Santa Maria. Os condes de Miranda, de Benavente, de Albergaria, de Olivença, de Vimioso e de Santa Cruz, os marquezes de Ferreira e de Gouveia, e os duques de Cadaval, de Aveiro e Gandia, foram nascidos daquelas famílias.
Os Câmaras de São Miguel e Santa Maria, descendem do primeiro capitão donatário da ilha da Madeira João Gonçalves Zargo.
Os Bettencourt trazem origem dos Bettencores, das Canárias.
O Gago, Raposo, Ponte, Bicudo, Corrêa e Pacheco, são descendentes de Ruy Vaz Gago, filho de Lourenço Anes Gago o qual Ruy Gago veio para a ilha de São Miguel casado com uma fidalga chamada Catarina Gomes Raposo, sendo também ascendente daquelas famílias um primo Ruy Vaz por nome Luiz Gago casado na ilha de São Miguel com Branca Afonso da Costa, fidalga dos Columbreiro.


Do Botelho, Leite, Amares e Vasconcelos, foram ascendentes.
Pedro Botelho, comendador-mor da ordem de Cristo, que se distinguiu na batalha de Aljubarrota.
Amaro (Annes) Leite, que foi senhor de Calvos e Basto, d'Entre Douro e Minho.
E o Dr. Jorge d'Amaral e Vasconcelos, oriundo dos Amarais, família muito antiga, muito nobre e muito multiplicada em Portugal.
O Medeiro, Araújo, Borges, Sousas, Rebelo, Dias, descendem de :
Ruy Vaz de Medeiros, fidalgo de Ponte de Lima e Guimarães;
Vasco Rodrigues d'Araújo, senhor d'Araújo, Lindoso e outras terras;
Pedro Borges de Lima, avô de António Borges, fidalgo, que foi feitor da fazenda real em São Miguel;
Baltazar Rebelo, almoxarife da fazenda real; e Manuel Dias, negociante vindo de Portugal, tanto se enriqueceu na ilha de São Miguel, que seus primeiros descendentes se aliaram com as famílias mais nobres desta ilha.
Os Barbosa, Silva, Tavares, Quental, Faria, Machado, tiveram por progenitores:
Ruy Esteves Barbosa, oriundo d'Entre Douro e Minho, de quem descendem muitas casas titulares de Portugal;
Fernão Tavares, tronco de dois fidalgos da casa do Infante dom Henrique, pertencentes à casa dos Tavares, oriundos de Portalegre e Aveiro.
Francisco Botelho de Morais Quental, primeiro filho de Vasco de Mendonça Coutinho, sexto senhor de Coutos de Leonil e meirinho mor da comarca da Beira;
João Machado Carmona, filho de Gaspar Machado natural d'Entre Douro e Minho, e da ilustre família dos Machados de Monte Belo, grande senhor de muitas terras».


No Almanaque Açores .5º Anno de Publicação para 1909. páginas 93 a 97.

Nota: No dia 7 do corrente mês destacamos Sobrenomes com um século nos Açores e no dia 19 publicamos Origem dos apelidos portugueses.

Sem comentários: